Transformada pelo Startup Weekend
Como o SW transformou a minha vida e a minha carreira
Por Juliana Santos

Coordenadora de Gestão de Pessoas
Compartilhe:

Quando o diretor da A2C disse para mim, uma profissional da área de Gestão de Pessoas “Ju, você deveria participar do SW” eu não entendi nada. Confesso que pensei “ O que ele quer que eu vá fazer em um evento para criar startups cujos profissionais participantes são DEV, Design e Marketing? Além desse meu preconceito inicial pensei também que eu não fosse, necessariamente, uma empreendedora nata para ter o dom de ir lá e arrasar.

Mas essa era a grande questão, eu não iria lá para arrasar. Eu nem sequer tinha uma ideia estruturada para convencer 100 pessoas que seria legal apostar. Mas aí que tudo começa. Por que o sócio de uma empresa investiria não só para mim, profissional de Gestão de Pessoas, mas para quem quisesse participar desse evento correndo o “risco” de perder seus melhores talentos para startups criadas por eles próprios e investidos talvez, e porque não, por seu concorrente? Afinal, a A2C poderia sim, estar abrindo portas para que os seus colaboradores abrissem concorrências inovadoras.

Então, que no fim das 54 horas mais intensas da minha vida, eu entendi o porquê de eu estar ali. E essa é a parte mais interessante.

Iniciando a jornada

Tudo começou na apresentação dos pitches (onde o empreendedor precisa vender a ideia em 1 minuto) a qual, obviamente, eu não participei, por achar que eu seria um peixe fora d´água – mais uma lição aprendida: na próxima eu apresento minha ideia rsrsrs. Após a votação das 15 propostas mais interessantes, pedi para participar da startup ‘No Hungry”, uma ideia da Ludimila que, inclusive, trabalha na A2C. O objetivo dessa startup era o fim da fome, uma proposta nobre e eu, como uma pessoa que adora causas sociais apostei na ideia dela. E seguimos juntas em 11 pessoas. No final, éramos em apenas 7.

As pedras no caminho

E por que as pessoas foram desistindo? Aí posso começar a dar os motivos do porque é tão interessante as empresas investirem nesse tipo de “curso” para seus profissionais. E chamo de curso, porque é uma verdadeira escola de alta intensidade. De aprender, reaprender, desaprender e recomeçar o tempo todo.

Esse evento constrói profissionais mais capazes de lidar com as mudanças, profissionais, capazes de lidar com a rejeição, profissionais que aprendem na marra e na garra a lidar com a frustração das contradições e, principalmente, a aprender que sua verdade quase nunca é uma verdade absoluta e que você precisa de uma equipe engajada em comum propósito.

Tudo começa na validação do seu problema, depois da solução e, por fim, na rentabilidade no negócio. E cada etapa dessas é transformadora. Por que você acredita fielmente em algo que depois descobre que é muito inútil, ou no mínimo, pode ser uma ideia linda, Mas para colocar na prática é muito mais complexo. E muitas vezes, inviável.

Eu, profissional empreendedora

É através dessa montanha russa de emoções que você vive uma experiência incrível e volta para a sua realidade com muito mais controle emocional, descobre o poder da garra e do empreendedorismo. E ser empreendedor não é só abrir uma empresa. Para o dicionário “empreender é o ato de decidir, realizar tarefa difícil e trabalhosa, é tentar”. Então, com certeza eu descobri ao final das 54 horas mais longas dessa jornada que eu sou, sim, uma empreendedora, mesmo que as ideias tenham sido pivotadas (descartadas e reiniciadas) diversas vezes.

O que valeu mesmo foi a coragem, a garra, a persistência, a competição, o trabalho em equipe e, por fim, ver algo se concretizar para uma banca de alto escalão de diretorias de grandes empresas e startups. Encarar essa banca não foi fácil mas garanto, o orgulho foi gigante de ver minha equipe ter ido até o fim com “n” motivos para desistir. Valeu a pena cada lágrima derramada. Hoje, sou uma profissional muito mais autêntica, mais empreendedora, mais libertadora de crenças, mais transformadora, mais aberta a mudanças, mais atuante, mais criativa, mais corajosa e mais apta a encarar o caos que vivemos no dia a dia transformando isso tudo em excelentes resultados para minha carreira, para a empresa e para minha própria vida pessoal.

Quer ter profissionais mais engajados em sua equipe? Então incentive-os a participar desse evento que transforma  qualquer profissional em um vendedor e em um intra-empreendedor.

Confira também os projetos do ecossistema de transformação da A2C premiados na edição do Startup Weekend de abril de 2018.

 

Compartilhe:

RECEBA
NOVIDADES
DA A2C

E-mail cadastrado! Aguarde nossas novidades.