Como a Transformação Digital vai impactar sua vida
A 4ª Revolução Industrial já está acontecendo e é muito mais profunda do que você imagina
Por A2C

Acelere. Colabore. Transforme
Compartilhe:

Quando se fala em Transformação Digital, relacionamos imediatamente ao mundo dos negócios. Porém, este pensamento é extremamente limitante, pois esta revolução irá tocar em todas as esferas da nossa vida, já que como pessoas físicas e consumidores também seremos afetados. O que podemos esperar, como iremos nos adaptar e o que mais nos trarão as próximas gerações? Algumas destas respostas dividimos a seguir.

Você, profissional: as transformações no mercado de trabalho

Naturalmente que a Transformação Digital, por ser tão profunda e significante para a humanidade, impactaria também o mercado de trabalho. E quando temos acesso a dados como este do Page Group, de que 65% das profissões de 2050 ainda não existem hoje, ou este outro da Deloitte Insights Future of Work, de que até 2020 75% das empresas serão companhias que ainda não existem, não há como evitar uma certa inquietação.

O que será do seu emprego?

Sim, é fato que muitos profissionais perderão seus empregos em função da Transformação Digital. Na mesma velocidade que a tecnologia tem evoluído nos últimos anos – nossos filhos não fazem a menor ideia e nem sabem para o que serve uma fita K7 ou VHS, por exemplo -, uma verdadeira varredura está começando a acontecer no mercado de trabalho.

A diferença entre o profissional que vai ficar e o que vai sair não está na sua atual função, como se pode imaginar num primeiro momento. O que difere um do outro é a capacidade de enxergar este novo momento como um cenário repleto de oportunidades. No fim do dia, é a resiliência e o poder de reinvenção que definirão o destino da sua carreira pós Transformação Digital.

Isso porque, ainda que a sua profissão não seja extinta, ela será sim transformada profundamente. Um exemplo interessante é o citado por Anderson de Andrade, CEO da A2C, em seu artigo publicado no blog da ONG Projeto Resgate, “A transformação no mercado de trabalho: o que os jovens podem esperar”.

“Haverá uma extinção natural de postos de trabalho e o surgimento de novos empregos que exigirão habilidades diferentes. Um exemplo é o do setor imobiliário. Hoje já há aplicativos de aluguel, sites de busca de imóveis, assessoria burocrática online, visitas virtuais. Assim o corretor, como o conhecemos, se tornará praticamente obsoleto. Entretanto, nada substitui o relacionamento humano. Por isso, o mercado imobiliário e todas as demais áreas irão precisar de profissionais estratégicos, capazes de utilizar as ferramentas e a criatividade para cativar os clientes.”

E vendo por este ângulo, realmente não há formas de escapar da mudança. Precisaremos assumir o controle das nossas escolhas profissionais, que nos forçarão a criar mais ao invés de repetir padrões à exaustão – isso, ensinamos às máquinas a fazer muito melhor do que nós, já que a sua margem de erro é muito menor. Teremos mais autonomia e os empregos por projeto serão muito mais comuns do que as carteiras assinadas – uma tendência que a nossa legislação trabalhista assumiu, ainda com certa timidez, apenas recentemente.

E a Geração Z vai impactar o mercado com seu conhecimento de tecnologia?

A tão falada Geração Z (nascidos depois de 1995) está chegando aos seus primeiros empregos prometendo grandes mudanças, em boa parte por conta da sua familiaridade nata com a tecnologia – habilidade que muitos que já estão inseridos no mercado ainda não conquistaram.

Em estudo realizado pela Dell Technologies com representantes da Geração Z ao redor do mundo, constatou-se que apesar de serem extremamente confiantes quanto aos seus conhecimentos de tecnologia, são bem mais inseguros quando se trata das outras habilidade que não envolvem o mundo digital, as famosas soft skills.

Do que se pode concluir que: nem entre as gerações que já estão no mercado de trabalho, nem na que está chegando agora, consegue-se encontrar o profissional perfeito. Todos possuem suas deficiências que precisam ser sanadas, o que nos faz voltar ao tópico anterior: resiliência e poder de reinvenção serão habilidades que valerão muitos degraus na carreira no mundo pós Transformação Digital.

Você, cidadão: Transformação Digital é inclusão e não exclusão

Enquanto se fala que profissões, postos de trabalho e até empresas serão extintos, outras oportunidades e mercados surgem das novas tecnologias. Um exemplo de usuários que até pouco tempo atrás não tinham condições de ter acesso ao mundo virtual são as pessoas com deficiências.

Se a ideia é de fato aumentar o número de visitantes e abrangência de um site, quanto mais pessoas incluirmos, melhor. E esse pensamento acaba tendo um viés social quando pensamos nas responsabilidades que uma empresa deve assumir atualmente diante da sociedade.

E não estamos apenas falando de um ato de altruísmo, trata-se de negócios: imagine que ao ter um site não inclusivo, sua empresa está abrindo mão de 45,6 milhões de potenciais clientes só no Brasil. É importante reforçar que este dado é resultado da pesquisa do IBGE de 2010. Ou seja: atualmente, este número é ainda muito maior.

Em artigo publicado aqui no blog da A2C, o especialista em acessibilidade digital Jonas Vieira, dá a dimensão que essa adaptação pode alcançar:

“À medida que os avanços tecnológicos continuam a mudar a maneira como nos comunicamos, trabalhamos, brincamos e interagimos, uma cultura de acessibilidade e inclusão é fundamental para permitir às pessoas com deficiência sua legítima independência e participação como membros plenos da sociedade. Ao permitir o engajamento de tantas pessoas quanto pudermos, ajudamos a colocar a sociedade em um caminho mais cooperativo, criativo e produtivo para abordar coletivamente os desafios sociais e tecnológicos que enfrentaremos.”

A questão da inclusão digital é tão urgente que existe uma legislação no Brasil que faz desta adaptação uma obrigação das empresas. A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (LBI) impõe multas às organizações cujos sites/apps impeçam a acessibilidade de deficientes.

Ou seja, quando falamos de Transformação Digital, estamos falando de uma relação em que todos ganham. Os cidadãos, as empresas e a sociedade.

Você, consumidor: no centro de tudo

A 4ª Revolução Industrial colocou o consumidor no comando. Antes, o papel das empresas era convencer a comprar. Agora, além disso, é necessário oferecer toda uma experiência que envolva o consumidor, estimule-o a comprar e – tão importante quanto – volte novamente.

Para muitos é difícil entender o papel que a tecnologia teve nesta virada de jogo do consumidor. Mas basta pensar em empresas como Uber e AirBnb, que criaram novas categorias de serviços e elevaram o nível de interação entre empresas e clientes a um grau nunca antes conquistado por qualquer marca.

Por coincidência, estamos falando de empresas cujo centro de atuação é o digital, mas a associação que elas criaram entre tecnologias físicas e virtuais foi capaz de envolver e encantar o consumidor, que chega com uma nova definição de boa experiência de compra e expectativa de oferta.

E, logicamente, todas essas mudanças impactam diretamente as empresas cujo trabalho passa pela comunicação, como acontece com a A2C. E são do nosso CEO, Anderson de Andrade, as palavras que sintetizam os desafios dessa nova era:

“Ao derrubar fronteiras, o conceito de comunicação onlife muda a forma como campanhas, novos produtos e serviços são apresentados. Eles devem ser pensados para proporcionar a melhor experiência para o consumidor final em qualquer interação com a marca, seja onde ele estiver, integrando mídias digitais e tradicionais e ações omnichannel.”

Conclusão

A Transformação Digital tem o poder de mudar muitas coisas em um amplo espectro – trabalho, operações, sociedade. Fica claro que o jeito antigo de fazer as coisas não é mais suficiente.  As pessoas com mais sucesso e que terão mais impacto em sua profissão, em sua vida e na sociedade são aquelas que abraçam todas as faces da Transformação Digital e as infinitas possibilidades que ela traz. 

Compartilhe:

RECEBA
NOVIDADES
DA A2C

E-mail cadastrado! Aguarde nossas novidades.